quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Concentração de gases de efeito estufa é recorde, diz ONU

Emissões

Emissões aproximam planeta do 'pior cenário', diz WMO

A agência da ONU especializada em meteorologia divulgou nesta segunda-feira um relatório que indica que a concentração de gases causadores do efeito estufa atingiu em 2008 um nível recorde na atmosfera.

De acordo com o relatório da Organização Meteorológica Mundial (WMO, na sigla em inglês), em 2008 a concentração de dióxido de carbono, o principal gás causador do efeito estufa, chegou a 385,2 partes por milhão (ppm), um aumento de 2 ppm em relação ao ano anterior.

“Em 2008, as concentrações globais de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, que são os principais gases do efeito estufa persistentes na atmosfera, atingiram o mais alto nível registrado desde os tempos pré-industriais”, diz o documento.

Além disso, a WMO diz que a concentração dos gases do efeito estufa na atmosfera continua a aumentar, “até mesmo um pouco mais rápido”, disse o chefe da agência, Michel Jarraud, em uma coletiva em Genebra.

Segundo ele, essa tendência leva a um prognóstico pessimista quanto à elevação da temperatura global.

Copenhague

A WMO monitora a concentração desses gases na atmosfera por meio de uma rede de estações localizadas em mais de 50 países.

O boletim divulgado nesta segunda-feira é o quinto de uma série anual iniciada em 2004 e é divulgado às vésperas da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas, que será realizada de 7 a 18 de dezembro, em Copenhague, na Dinamarca.

A reunião de Copenhague tem como objetivo fechar um novo acordo global sobre o clima para substituir o Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.

Mais de 60 chefes de Estado e de governo, entre eles o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, já confirmaram participação na reunião.

Jarraud disse que os dados da WMO mostram que o mundo está “de fato mais próximo do cenário mais pessimista” em relação ao aquecimento global nos próximos anos.

“Isso reforça o fato de que é preciso adotar medidas o mais rápido possível”, disse. “Estamos esperando que Copenhague dê origem a uma decisão significativa em relação aos gases do efeito estufa. Quanto mais adiarmos uma decisão, maior será o impacto.”

O pior cenário quanto ao aquecimento global, divulgado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) em um relatório de 2007, prevê um aumento de temperatura de entre 2,4ºC e 6,4ºC até o fim do século.

Fonte: BBC Brasil

Obama vai propor corte de 17% em emissões dos EUA até 2020

Obama

Barack Obama deve ir a Copenhague antes dos outros líderes mundiais

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai propor um plano de redução das emissões americanas de gases que causam o efeito estufa em etapas, começando com 17% até 2020, de acordo com informações anunciadas pela Casa Branca.

A proposta será apresentada na reunião das Nações Unidas sobre mudança climática em Copenhague, em dezembro.

Obama confirmou presença no encontro, que será realizado na capital dinamarquesa entre 7 e 18 de dezembro, mas não deve participar dos últimos dias da conferência, quando mais de 60 líderes estarão presentes.

A reunião com representantes de 192 países tem o objetivo de produzir um acordo de combate à mudança climática para substituir o atual Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.

De acordo com a Casa Branca, os Estados Unidos devem prometer cortes de 17% até 2020, 30% até 2025, 42% até 2030 e 83% até 2050.

Segundo nota oficial, durante sua visita a Copenhague, em 9 de dezembro, Obama deve traçar os planos para "uma contribuição significativa para um problema que os Estados Unidos negligenciaram por tempo demais".

Nobel da Paz

A Casa Branca afirma que Obama irá para Copenhague antes de viajar a Oslo, na Noruega, no dia 10, onde receberá o prêmio Nobel da Paz.

Entre os chefes de governo e Estado que também devem ir à Dinamarca estão o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel.

A confirmação da presença de Obama e de uma proposta concreta de redução das emissões americanas aumenta as expectativas de um resultado positivo para a reunião em Copenhague.

O presidente americano deve ir à capital dinamarquesa antes do chamado segmento de alto nível da conferência, que costuma acontecer nos últimos dois dias do encontro (17 e 18).

Na sexta-feira, o chefe das Nações Unidas para mudança climática, Yvo de Boer, havia afirmado que a presença de Obama "faria uma enorme diferença".

Geralmente, são ministros de meio ambiente que participam dos últimos dias das reuniões anuais de mudanças climáticas da ONU.

O primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, afirmou que a participação dos chefes de Estado será "crucial" para o sucesso do encontro.

Fonte: BBC Brasil

domingo, 22 de novembro de 2009

Uruguai luta contra enchentes e recupera estragos de violento tornado

Assim como prognosticava a MetSul Meteorologia na quarta-feira e confirmando a tendencia informada por nossos meteorologistas, o mesmo sistema frontal responsável pelos temporais que deixaram pelo menos 9 mortos no Sul do Brasil trouxe temporais destrutivos e chuva excessiva para o Uruguai. O caso mais grave se deu no departamento uruguaio de Young na quinta-feira, mesmo dia do violento vendaval em Porto Alegre e no Litoral Norte. Conforme informou a edição de ontem do jornal El País, de Montevidéu, o tornado virou um trator de sete toneladas e partiu um avião agrícola. Moradores descreveram que o tornado cruzou Rio Negro pelo Noroeste, "subindo e baixando", poupando algumas casas. Um trailer, utilizado como abrigo para funcionários de uma chácara, foi parar a 500 metros de distância. Dois tanques de 15 mil litros voaram, atravessaram ruas e uma rodovia nacional, sendo encontrados a mais de um quilômetro do ponto onde estavam. O temporal da quinta-feira no Uruguai derrubou centenas de árvores, postes, redes de alta tensão, e ainda houve queda de granizo e chuva copiosa. Leia o informe do El País:

"Un tornado volcó un tractor de 7.000 kilos y partió un avión fumigador ayer en Young. No causó heridos. Hay unos 200 evacuados en Artigas, Río Branco, Salto, Treinta y Tres y Durazno. En Rivera y Melo varias personas volvieron a sus hogares. El tornado se registró ayer sobre las 6 de la mañana. Según los afectados, atravesó Río Negro desde el noroeste, ‘subiendo y bajando porque, insólitamente, a algunas casas les pasó por encima sin producir daño'. Granizó y llovieron 70 milímetros en dos horas. Las piedras no habrían causado daños graves en cultivos prontos para cosechar. Agricultores y técnicos evaluaban ayer las pérdidas en trigo y cebada.

A 15 kilómetros al Este de Young, en ‘El Trébol' -establecimiento de la firma argentina Kamir S.A.- el fenómeno destruyó tres galpones, que no resistieron pese a sus estructuras de hormigón, hierro y chapas. Afectó una franja de aproximadamente 500 metros de ancho; "arrasó con todo lo que encontró", dijo el encargado, Luis Bocho. El viento cruzó a 20 metros de donde descansaban empleados de la empresa, contó. Una casa rodante de gran porte, usada para vivienda del personal en las chacras, apareció a 500 metros, dos tanques de 15.000 litros volaron, atravesaron alambrados, cruzaron vías y la ruta 25: quedaron a más de un kilómetro.

En el establecimiento ‘Don Esteban', cerca de Young, la turbonada voló un galpón, árboles y una torre de radio, mientras que un trailer de camión fue volcado, narró su responsable Hugo Cuevas. En zonas rurales cayeron columnas de UTE y líneas de alta tensión. En Artigas el viento voló el techo en un galpón en un establecimiento rural y en otro tiró 40 eucaliptus y alambrados. Y cayó una torre de radio, informó Juan Eguillor, encargado del Centro Coordinador de Emergencia de Artigas. En la ciudad de Young cayeron más de 100 árboles, columnas y cables, volaron techos y varias viviendas fueron anegadas, informó la Junta Local".
Boletim da Dirección Nacional de Meteorologia informa que entre as 7 horas de quinta e as 7 horas de sexta-feira choveu 310 milímetros na localidade de Valle Éden, departamento de Tacuarembó. O excesso de chuva agrava as inundações no Uruguai, sobretudo em, Salto, Artigas e Rio Branco. Várias regiões do país estão debaixo d'água, principalmente no Norte e no Noroeste do território uruguaio. Em Rivera, até ontem, a chuva já somava no mês cerca de 370 milímetros. Em Rio Branco, às margens do Rio Yaguarón, os comerciantes dos free shops tão procurados pelo público gaúcho estavam prestes a remover as mercadorias, uma vez que a água já estava nas portas dos estabelecimentos. A má notícia, segundo os meteorologistas da MetSul, é que hoje e no início do domingo pode chover muito no Uruguai. A boa é que no decorrer deste domingo o tempo tende a melhorar no país vizinho. (Imagens: Reprodução El País)
Autor: Alexandre Amaral de Aguiar Publicado em 21/11/2009 07:37 Blog Metsul

Sequência de satélite da supertempestade de 19 de novembro

O temporal que atingiu o Rio Grande do Sul foi tão grave que despertou a atenção da comunidade acadêmica de Meteorologia nos Estados Unidos, apesar da tempestade ter ocorrido a meio mundo de distância. O CIMSS (Cooperative Institute for Meteorological Satellite Studies), da Universidade de Wisconsin, um dos principais centros de referência no mundo em Meteorologia por satélite, divulgou em sua página uma sequência de imagens de satélite mostrando da gênese da tempestade até o momento em que ela alcança Porto Alegre. A imagem vem acompanhada de análise (leia), valendo-se de dados da MetSul Meteorologia quanto aos efeitos, em que se oferece uma abordagem completamente distinta das lidas até agora sobre a causa do temporal. Nem ciclone extratropical, como sustentado por vários órgãos de Meteorologia aqui no Brasil, nem tampouco uma frente fria associada a um centro de baixa pressão profundo em superfície, como defendido pela MetSul Meteorologia, mas sim o velho e conhecido CCM (Complexo Convectivo de Mesoescala). Leia a análise do CIMSS sobre o evento da última quinta-feira:

"Imagens do canal infravermelho do satélite GOES-10 mostra topos de nuvens com temperatura muito baixa associadas a um Complexo Convectivo de Mesoescala (CCM) que se formou no Norte da Argentina e se deslocou pelo Uruguai para o Sul do Brasil no dia 19 de novembro. O CCM apresentou valores de temperatura no brilho do canal infravermelho atipicamente baixos que chegaram a -89ºC às 4h58m UTC (2h58m no horário de verão brasileiro). Ademais, no começo da animação podem ser vistas várias assinaturas em "V" na imagem infravermelho realçada pelos topos das nuvens, assinaturas essas que sinalizam tempestades com convecção severa com alto potencial para produzir vento destrutivo, granizo grande e tornados. Houve relatos na mídia de um tornado e granizo em partes do Uruguai, e, de acordo com o Blog da MetSul, este CCM produziu vento muito intenso (132 km/h) e chuva intensa (70 milímetros em duas horas) à medida que a tempestade avançou para a região do Rio Grande do Sul no Sul do Brasil".

Autor: Alexandre Amaral de Aguiar Publicado em 21/11/2009 16:43 blog Metsul

Eles torcem por violentas tempestades !!!

Nenhum gaúcho com bom senso agüenta mais tanto temporal, mas há quem esteja ávido por novas e fortes tempestades em nossas terras. Retratados no filme Twister (1996), os caçadores de tempestades americanos, conhecidos como storm chasers, se dedicam todo ano a procurar temporais violentos e tornados para filmá-los e fotografá-los. Dizem não torcer por desastres, mas quanto mais intenso o fenômeno melhor. Faturam dinheiro na venda das imagens que acabam parando em DVDs, livros e documentários. Agora, um grupo destes caçadores de tormentas anuncia viagem para a nossa região. Em sua página TornadoVideos, o meteorologista e chaser Reed Timmer, 29 anos, anuncia que "o plano é viajar para a América do Sul em dezembro e janeiro por algumas semanas para ver se conseguimos algumas caçadas de sucesso por lá". Segundo Timmer, a idéia é transmitir as tormentas ao vivo na internet. "O fenômeno El Niño está intensificando a temporada de tornados da América do Sul", explica o americano que apresenta o programa Storm Chasers no Discovery Channel (link). Segundo ele, "a baroclinicidade e o forte jato em altos níveis persistem durante o verão, dado o permanente incrível contraste térmico entre a bacia amazônica e a Antártida, garantindo umidade e muita instabilidade", comemora. Em publicação no seu blog e no Twitter (link ), na tarde deste sábado, o caçador de tormentas e apresentador do programa Storm Chaser anuncia que as passagens já estão compradas e que a viagem, esperada há doze anos, vai acontecer na Argentina entre os dias 26 de dezembro e 10 de janeiro. Segundo ele, farão parte da equipe na missão para a América do Sul os operadores de câmeras e os produtores do programa do canal Discovery Chris Whiteneck e Robert, além do caçador e "expert em tornados na América do Sul" Scott Currens. Sul do Brasil, Argentina e Uruguai formam a segunda região mais propícia a tempestades severas no mundo com o auge do período tempestuoso na nossa primavera e no verão, quando há muito menos temporais na América do Norte.

(Foto de Reed Timmer/Divulgação)

Autor: Alexandre Amaral de Aguiar Publicado em 21/11/2009 18:26 extraido do Blog da Metsul

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Sobe para sete número de mortos em temporais no Sul

Casal está desaparecido em Curitiba após veículo ter sido arrastado e caído em um córrego

Rita Cirne, do estadao.com.br

Subiu para sete o número de pessoas mortas em razão dos temporais que caíram na Região Sul do País na quinta-feira, 19. A chuva forte, acompanhada de rajadas de vento de mais de 100 km/h em alguns locais, arrancou telhados, derrubou árvores e postes e alagou estradas em diversos municípios.

A primeira morte no Estado de Santa Catarina foi confirmada nesta sexta-feira, 20. Trata-se de uma mulher de 56 anos que foi atingida por uma árvore que caiu em Tubarão. Ela foi levada a um hospital, mas morreu nesta madrugada.

No Rio Grande do Sul, seis pessoas morreram e há 30 mil desalojadas e 1.550 desabrigadas, segundo a Defesa Civil. No município de Cidreira, no litoral norte do Estado gaúcho, um adulto morreu e o teto de uma escola caiu sobre uma sala de aula, ferindo levemente 30 crianças.

No Paraná, os bombeiros ainda procuram duas pessoas que desapareceram depois que o principal rio de Curitiba, o Belém, e alguns dos seus afluentes transbordaram, derrubando uma ponte e abrindo uma cratera. Com o desabamento, três carros foram arrastados pelas águas e caíram em um córrego. Apenas os dois ocupantes de um Gol continuam desaparecidos.

O carro já foi localizado, mas os bombeiros enfrentam dificuldades para ter acesso ao veículo e confirmar se as vítimas ficaram presas ou conseguiram escapar. Cerca de 30 familiares do casal acompanham os trabalhos de resgate.

Na quinta-feira, a Defesa Civil e Curitiba registrou 120 atendimentos entre alagamentos, quedas de árvore e riscos de desabamento. Antes das chuvas, o Estado registrou a temperatura mais elevada do ano. Em Morretes, no Litoral, os termômetros marcaram 41,7ºC segundo o Instituto Meteorológico Simepar.

As condições meteorológicas desta sexta-feira, na região Sul, são favoráveis às pancadas de chuva, de moderadas a fortes, acompanhadas de trovoadas e rajadas de vento em algumas áreas.

Mortes

Na capital gaúcha, uma das paredes de um prédio desativado caiu sobre a calçada da Avenida Brasil, matando a auxiliar de serviços gerais Marilu Azambuja, de 37 anos, que passava pelo local, na zona norte da cidade. Na zona sul, um morador do bairro Restinga, identificado como Jorge Camargo, de 39 anos, morreu atingido pelo tronco de uma árvore, quando tentava se proteger da chuva e do vento.

Em Canoas, na região metropolitana, o operário Eduardo da Silva, de 19 anos, foi soterrado pelo muro de uma construção e morreu. No mesmo município, o terceiro sargento da Aeronáutica João Luiz de Mattos, de 47 anos, morreu enquanto manejava uma motosserra para cortar uma árvore caída dentro do terreno do 5º Comando Aéreo Regional (Comar). E em Capivari do Sul, no litoral, a queda do galho de uma árvore matou o agricultor Pedro da Silva Rosa, de 60 anos.

(Com Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo)

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

O tempo ficou louco?

Para os especialistas, os fenômenos meteorológicos seguem uma lógica própria; o que aumentou foi a percepção do clima

Publicado em 07/10/2009 | Guilherme Voitch

A moça do tempo errou na previsão e seu carro transformou-se em um iate no meio das ruas alagadas. Seu fim de semana em Santa Cata­rina resumiu-se a consertar o te­­lhado, que foi quase todo destruído pela ventania. As quatro estações parecem se alternar em um mesmo dia, e as crianças já aprendem na escola que “sim, nós temos furacões!” A sequência de eventos que tem feito parte do cotidiano dos brasileiros leva à pergunta: o tempo, afinal, enlouqueceu, de uma hora para outra?

Para quem estuda e trabalha com fenômenos climáticos e sua face cotidiana, o tempo, não é possível cravar o sim como resposta. Segundo os cientistas, a maioria dos fenômenos meteorológicos mantém um padrão de ocorrência em determinadas épocas do ano e re­­giões. Mesmo aqueles que em teo­­ria são inesperados, como o Ca­­ta­rina, estão dentro de uma lógica de previsibilidade.

O que mudou foi a percepção desses acontecimentos. Os exemplos clássicos são os tornados. “A urbanização e a expansão dos limites de moradia são constantes. Há dez anos não tínhamos ninguém em locais onde hoje temos vilas in­­teiras”, diz o meteorologista do Si­­mepar Samuel Braun. Com mais gente atingida pelos tornados, é maior a sensação de que eles au­­men­­taram. Um estudo do Labo­ra­tório Nacional de Tempestades Severas, instituição americana que estuda fenômenos climáticos, mostra que a região compreendida pelos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, oeste do Para­ná e norte da Argen­tina e Paraguai é a segunda maior área em incidência de tornados do mundo. Per­de apenas para a planície central dos Estados Unidos como área mais propícia para o fenômeno. E não existe ne­­nhuma indicação de que essa posição deva-se a algum fenômeno recente, como o aquecimento global.

“A meteorologia brasileira é muito nova. Começa na década de 60. Pode ser que estejamos passando por uma fase cíclica de aumento desses fenômenos. Pode ser. Mas pela base de dados que temos, só é possível dizer que as ocorrências estão dentro do que se pode esperar da primavera e da região Sul”, diz a meteorologista Mônica Lima, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/Inpe).

A própria imprensa ajuda a se falar mais do tempo e com isso ampliar a repercussão do assunto. “Quando eu comecei aqui, fazíamos raros atendimentos à imprensa, hoje são dezenas, centenas de veículos, entre rádios e sites que nos ligam. Tem muito mais gente se informando sobre o tempo”, ressalta Braun.

Como explicar então o Catari­na, que mudou algumas convicções dos estudiosos sobre o clima brasileiro? “Foi de fato o primeiro registro de um ciclone em terras brasileiras. Pode até ter havido outro, mas não há registros”, afirma Mônica.

Apesar do ineditismo, o Catari­na não foi um evento sem explicação. De acordo com o professor da Uninter e doutor em Meio Ambien­te Rodrigo Berté, o ciclone brasileiro é, em parte, resultado das alterações de temperatura no Atlântico Sul. Segundo ele, essas mudanças ocorrem de forma sistemática no clima mundial, de tempos em tempos. A discussão gira sobre a velocidade e o grau de participação do homem nessas alterações. “Entendo que a emissão de dióxido de carbono e o desmatamento da Amazônia influenciam, sim, no clima da Terra. Mas um ciclone por aqui continua sendo improvável. Não dá para dizer que tudo vai mudar de repente e o mundo vai acabar amanhã por causa do aquecimento global. A humanidade pode se adaptar às mudanças.”

Braun vai na mesma linha e faz a compração com a neve em Curi­tiba, em 1975. “Parecia um sinal de uma mudança drástica no clima. De lá para cá nunca mais nevou. Existe a possibilidade de neve e de ciclone? Existe, mas permanece bastante remota.”

Fonte: Gazeta do Povo

Topografia e geografia são favoráveis

Ernani Nascimento, professor de meteorologia da Universidade Federal de Santa Maria (RS), afirma que a geografia e a topografia da região Sul do Brasil influenciam a ocorrência dos tornados. O corredor de tornados da América do Sul situa-se na topografia plana do pampa, a leste dos Andes. Na planície norte-americana, o fenômeno costuma surgir ao lado das montanhas rochosas. O Serviço Meteorológico Nacional da Argentina concluiu que Misiones foi atingida em 10 de setembro por um ciclone tipo F4, numa classificação que vai de F0 a F5. A escala Fujita, criada em 1971 para medir a intensidade dos tornados, define o F4 como “devastador”, categoria em que a velocidade dos ventos é estimada entre 333 e 421 quilômetros por hora. Os estragos se espalharam numa faixa de mil metros de largura e 15 km de extensão, perto da fronteira com Santa Catarina. Fonte: Diario Catarinense - 5 de outubro de 2009 | N° 8582

domingo, 25 de outubro de 2009

Entrevista do Evento 350.org - Aquecimento Global. Ação Global. Futuro Global.

Caros amigos, Ontem em Nova Iorque tive uma das mais espantosas experiências da minha vida. Enquanto eu estava ali olhando e vendo as imagens que enchiam o écran vindas de cada canto do mundo, eu vi finalmente que aspeto tem um movimento climático - e era lindo de se ver. Foi tão doce ver o dia se desenrolar pelo globo, com milhares e milhares de imagens aparecendo, por vezes uma dúzia a cada minuto! Esta tarde, nossa equipe as passou onde todo o mundo pudesse vê-las - nos maiores écrans da Times Square, no centro da cidade de Nova Iorque. Tem fotos de alpinistas segurando cartazes da 350 bem no alto das geleiras da Suíça, paradas de bicicleta desde Copenhague a São Francisco, organizadores na Papuásia batendo o gongo de sua igreja 350 vezes e igrejas em Barcelona tocando seus sinos 350 vezes. Fotos de ativistas protestando contra centrais movidas a carvão e incentivando parques eólicos, estudantes com t-shirts da 350 consertando suas casas atingidas pelas cheias em Manila e de milhares de pessoas desfilando em Bogotá e Katmandu. Fotos de gente de diferentes raças e classes, religiões e nacionalidades, se unindo em torno de um simples e poderoso número, querendo salvar nosso planeta. E todas essas fotos foram vistas em redor do mundo, em jornais de Beijing a Boston, em estações de TV de Nova Delhi a Nova Iorque, e em blogs, redes sociais, e websites por toda a internet. Todos juntos, mostramos para o mundo que um tratado global de clima é possível e traçamos um objetivo bem ousado para as próximas reuniões de clima da ONU em Copenhague esse Dezembro. A meta dos 350 é agora a nova linha mestra para a ação climática e os líderes mundiais têm agora de ir encontro a esta meta. Pensamos que fôssemos estar cansados depois de tantas noites sem dormir planejando esse dia, mas afinal estamos mais enérgicos que nunca. Estamos nos preparando para entregar as fotos e mensagens de vossos eventos em todas as delegações nacionais da ONU amanhã, e tencionamos entregar as fotos a ministros importantes nas próximas negociações de clima em Barcelona e Copenhague. Por isso se você não fez ainda upload das melhores fotos de seu evento, por favor o faça imediatamente através desse link! www.350.org/pt/report Ou envie eles para nós através do e-mail photos@350.org, colocando sua Cidade e País no Assunto. Lhe agradecemos mais do que podemos dizer. Vamos (é claro) pedir a você para fazer mais um monte de coisas nas semanas que se seguem - mas hoje, se recoste, relaxe, olhe as fotos em 350.org, e saboreie seu feito. Você foi parte do mais abrangente dia de ação política que o mundo alguma vez viu. Junto com milhões de pessoas em todo o mundo, você já fez diferença para valer - se prepare para fazer muito mais nos dias, semanas e meses que estão para vir. Com esperança, Bill McKibben e toda a Equipe da 350.org 350.org é uma campanha internacional de bases que tem por fim mobilizar um movimento global de clima, unido pelo mesmo apelo à ação. Disseminando um conhecimento das bases científicas e uma visão partilhada de uma política justa, procuramos garantir que o mundo crie soluções corajosas e igualitárias para a crise climática. 350.org é um projeto independente e sem fins lucrativos.

Temporal derruba temperaturas no RS

Em Porto Alegre foram registradas rajadas de vento de 69 km/h

Atualizada às 13h39min

A chegada da frente fria e do temporal que se abateu sobre o Rio Grande do Sul derrubou a temperatura em diversas partes do Estado. A mínima de hoje foi 11ºC em Livramento, conforme os registros do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Em Porto Alegre foram registradas rajadas de vento de 69 km/h. A ventania atingiu principalmente o Chuí, onde chegou a 101 km/h, e Quaraí, onde alcançou 95 km/h. Nesse município, a temperatura despencou de 23,6°C para 14,1°C entre as 6h e as 7h. A precipitação chegou com mais força à Fronteira Oeste. Em Alegrete, a chuva se iniciou no começo da manhã e, até as 8h30min, acumulou 37,8 milímetros - o equivalente a um terço da média prevista para todo o mês. Em Uruguaiana, onde os termômetros marcavam 25°C no fim da noite de sexta-feira, o tempo virou de madrugada e a chuva começou por volta das 4h. Às 8h, havia chovido 27,8 milímetros (quase um quinto da média mensal), e a temperatura havia despencado para 15°C. Amanhã a frente fria deixa o Estado e, pela manhã, não se descarta alguns períodos de garoa entre a Serra e a Região Metropolitana, mas à tarde resta apenas as nuvens sem condição de chuva. Sem energia A chuva forte deste sábado deixou 10 mil clientes da AES Sul sem energia elétrica em toda a Fronteira Oeste. A normalização do fornecimento estava prevista para ocorrer até o final da manhã, conforme a companhia. Na área da CEEE, são cerca de 450 às escuras em pontos isolados de Porto Alegre, Região Metropolitana, Bagé, Pelotas e Camaquã.

ZEROHORA

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Acordo climático em Copenhagen enfrenta cenário complicado

Quem vive sintonizado com as questões ambientais mais urgentes sabe que dezembro é um mês importante: do dia 7 ao dia 18, Copenhagen, na Dinamarca, abriga a a 15ª Conferência Marco das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP15). Este evento é realizado há vários anos, mas com o avanço do aquecimento global e daa mudanças climáticas no mundo, o evento deste ano ganhou um peso ainda maior. Os líderes mundiais discutirão as condições de um novo acordo para diminuir as emissões de carbono de seus países, e assim tentar frear o aumento da temperatura do planeta. Mas para alguns, há tantos pontos em discussão e tão pouco tempo, que o encontro dificilmente será bem-sucedido. CORTE Há algumas semanas, cerca de mil delegados das Nações Unidas se reuniram na cidade de Bonn, Alemanha, para iniciar conversas informais sobre Copenhague. No entanto, vários delegados destacaram que os avanços ainda eram muito lentos e poderiam dificultar um acordo na COP15. O principal problema (que também foi discutido na cúpula dos G9 na Itália, há alguns meses) é a necessidade de os países se comprometerem a diminuir suas emissões, e como deveriam fazer isso. Os países industrializados reafirmam que os países em desenvolvimento, como China e Índia, precisam assinar o acordo. Mas para estes países, cortar emissões também significa desacelerar seu crescimento econômico. Eles não estão dispostos a se comprometer sem que os países ricos ofereçam apoio financeiro, alegando que são responsáveis pela maior parte das emissões do planeta. "Há interesses imensamente divergentes, um documento complicado sobre a mesa, resta pouco tempo e ainda é preciso avançar muito em questões importantes, como o financiamento", ressaltou Yvo de Boer, secretário-executivo da COP15, em entrevista à BBC News. O encontro em Copenhagen dirá se será possível chegar a um acordo que represente um avanço real.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O que é o "olho" do furacão???

O olho é uma área quase circular de ventos comparavelmente calmos e tempo bom encontrado no centro de um ciclone tropical intenso. Embora os ventos sejam calmos no eixo de rotação, pode ocorrer também ventos intensos nessa região. Há pouca ou nenhuma precipitação e muitas vezes pode-se ver céu claro nessa região.

O olho corresponde à região de pressão de superfície mínima e de maiores temperaturas nos níveis mais altos: 10°C mais quente do que o ambiente a 12 km de altitude, mas apenas 2°C no máximo mais quente ao nível de superfície.

Seu tamanho varia de 8 a 200km de diâmetro, mas em média temos ciclones tropicais com diâmetro de olho em torno de 30 a 60km.

O olho é circundado pela parede do olho(área aproximadamente circular de convecção profunda) correspondendo à área de ventos de superfície mais intensos. O olho é composto de ar que apresenta movimento levemente descendente enquanto que a parede tem um fluxo resultante ascendente de moderado a fortes correntes ascendentes e descendentes.

A convecção da parede do olho é fundamental na formação e manutenção do ciclone tropical. Convecção em ciclones tropicais é organizada e alongada na mesma orientação do vento horizontal, sendo chamadas de bandas espirais pela típica formação em espiral. Ao longo dessas bandas a convergência em baixos níveis é máxima e, assim, a divergência é bem pronunciada nos altos níveis.

Ciclones Tropicais

Como os ciclones tropicais se formam??? Para ocorrer ciclogênese tropical deve existir uma série de condições ambientais precursoras favorávies como:
  1. Águas oceânicas quentes(pelo menos 26,5°C) em uma camada suficientemente profunda, cuja profundidade não se sabe ao certo mas deve ser pelo menos da ordem de 50m. Essas águas quentes alimentarão a engrenagem térmica do ciclone tropical.
  2. Uma atmosfera que se resfrie rapidamente com a altura para que seja potencialmente instável à convecção úmida, sendo essa atividade convectiva responsável pela liberação do calor armazenado nas águas para o interior do ciclone.
  3. Camadas relativamente úmidas perto da média troposfera(5km). Níveis médios secos não conduzem ao contínuo desenvolvimento de atividade convectiva em uma vasta área.
  4. Uma distância mínima de pelo menos 500km da linha do Equador. Para ocorrer ciclogênese tropical, há o requisito de uma força de Coriolis não desprezível para que o centro de baixa do distúrbio seja mantido.
  5. Um distúrbio pré-existente próximo à superfíce com vorticidade e convergência suficientes. Ciclones tropicais não podem desenvolver-se espontaneamente, pois necessitam de um sistema levemente organizado com rotação considerável e influxo nos baixos níveis.
  6. Valores baixos de cisalhamento vertical de vento entre a superfície e a alta troposfera. Valores altos de cisalhamento desfavorecem ciclones tropicais incipientes e podem previnir sua gênese ou, no caso de um ciclone já formado, pode enfraquecê-lo ou até mesmo destruí-lo dada sua interferência com a organização convectiva em torno do centro do ciclone.

Qual a diferença entre ciclones tropicais e tempestades de latitudes médias???

Um ciclone tropical é um sistema de baixa pressão que basicamente adquire energia da evaporação da água do mar na presença de ventos intensos e baixas pressões na superfície, tendo a condensação associada às células convectivas concentradas próxima ao seu centro.

Já as tempestades de latitudes médias(centros de baixa pressão associados com frentes frias, frentes quentes, frentes oclusas) adquire energia principalmente dos gradientes latitudinais de temperatura que existem na atmosfera.

Outra diferença é que os ventos de um ciclone tropical apresnta ventos mais intensos próximos à superfície(conseqüência do núcleo quente na troposfera), enquanto que ciclones extratropicais(tempestade de latitudes médias) apresentam ventos mais intensos próximos à tropopausa(conseqüência associada ao núcleo quente na alta troposfera e o núcleo frio na baixa troposfera).

Obs.: Núcleos quentes(frios) referem-se a porções mais quentes(frias) do que o ambiente à mesma pressão.

Qual a diferença entre ciclones tornados???

Embora ambos sejam vórtices atmosféricos, eles tem muito pouco em comum.

Tornados tem diâmetros de centenas de metros e são produzidos por uma única tempestade convectiva. Por outro lado, ciclones tropicais tem diâmetros da ordem de centenas de quilômetros, sendo comparável a dezenas de tempestades convectivas. Além disso, enquanto tornados requerem um forte cisalhamento vertical do vento para sua formação, ciclones tropicais requerem valores baixos de cisalhamento vertical para se formar e crescer.

Os tornados são fenômenos primariamente continentais, de modo que o aquecimento solar sobre o continente usualmente contribui favoravelmente para o desenvolvimento da tempestade que dá início ao tornado(embora tornados sobre o mar também ocorram e são chamados de trombas d'água).

Em contraste, ciclones tropicais são fenômenos puramente oceânicos que morrem sobre o continente devido à quebra no suprimento de umidade. Temos ainda que seu ciclo de vida é de alguns dias, enquanto que o ciclo de vida de um tornado é tipicamente alguns minutos.

Um ponto interessante é que quando um ciclones tropicais está sobre o continente seus ventos de superfície decaem mais fortemente com a altura promovendo, assim, forte cisalhamento vertical do vento que permite a formação de tornados.

Qual ciclone tropical causou o maior número de mortes e o maior prejuízo???

Foi o famoso Bangladesh Cyclone de 1970 que matou mais de 300.000 pessoas por elevar o nível do mar mais de 12m na região da planície costeira e deltas de rios na Índia.

O maior prejuízo finaceiro foi causado por Andrew em 1992 nos Estados Unidos: US$26,5 bilhões.

Entretando, normalizando da situação de acordo com as possibilidades da época, o de maior prejuízo foi o Great Miami Hurricane de 1926. Calcula-se que o prejuízo teria sido de US$70 bilhões se o mesmo tivesse ocorrido nos anos 90.

O que são furacões???

Os termos furacão e tufão são nomes regionais para intensos ciclones tropicais, sendo este último um termo genérico para um centro de baixa pressão não-frontal de escala sinótica sobre águas tropicais ou sub-tropicais com convecção organizada(por exemplo, tempestadaes) e intensa circulção ciclôcica à superfície.

Os ciclones tropicais são regionalmente denominados da seguinte maneira:

  • furacões - no Oceano Atlântico Norte, Oceano Pacífico Nordeste a leste da linha internacional da data e no Oceano Pacífico Sul a leste da longitude 160°E;
  • tufões - no Oceano Pacífico Noroeste a oeste da linha internacional da data;
  • ciclone tropical severo - no Oceano Pacífico Sudoeste a oeste da longitude 160°E e no Oceano Índico Sudeste a leste da longitude 90°E;
  • tempestade ciclônica severa - no Oceano Índico Norte; e
  • ciclone tropical - no Oceano Índico Sudoeste.

Um centro de baixa pressão não-frontal passa por vários estágios até atingir a condição de furacão, sendo classificados de acordo com o vento sustentável de superfície:

  • máximo até 17 m/s - depressões tropicais;
  • máximo entre 18 e 32 m/s - tempestade tropical;
  • máximo acima de 33 m/s - furacões, tufões...

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Dica de Site

Voce já viu passar no céu a estação espacial a olho nu? Se você quiser conferir da uma passada no site http://www.satview.com.br - Rastreio de Satélites em tempo Real. Muito show esse site vale a pena conferir, e tambem conferir no céu a passagem da estação espacial. Analía Rodríguez

Escala Fujita

A escala Fujita (ou Fujita-Pearson Tornado Intensity Scale) é a escala que mede a intensidade dos tornados, batizada com este nome em homenagem ao falecido cientista de tornados, Dr. Ted Fujita da Universidade de Chicago.
Escala Fujita F0 F1 F2 F3 F4 F5
Os tornados são medidos pela quantia de estrago que eles causam, e não pelo seu tamanho físico. Também é importante lembrar-se de que o tamanho de um tornado não é necessariamente uma indicação de sua ferocidade. Tornados grandes podem ser fracos, e tornados pequenos podem ser violentos. Escala Esquema da escala Fujita, desenhado pelo próprio Dr. Ted Fujita A escala Fujita vai de F0 (Fujita-0 abreviado) até F6 (Fujita-6 abreviado): * Tornado F0: Velocidades de vento inferiores a 117 km/h. Normalmente causam poucos danos. * Tornado F1: Velocidades de vento entre 117 e 180 km/h. Até mesmo estes tornados podem levantar telhas e mover carros em movimento para fora da estrada. Trailers podem ser tombados e barracos podem desmoronar. * Tornado F2: Velocidades de vento entre 182 e 252 km/h. Os telhados de algumas casas começarão a levantar e os trailers/casas móveis que estiverem no caminho do tornado serão demolidos. Este tornado também pode soprar vagões de trem para fora de seus trilhos. * Tornado F3: Velocidades de vento entre 253 e 333 km/h. Árvores pesadas serão levantadas com raiz e tudo, e paredes e telhados de edifícios sólidos serão arrancados como palitos de fósforos. Isto é um tornado severo. Danos causados por um tornado F4 pela escala Fujita * Tornado F4: Velocidades de vento entre 334 e 419 km/h. Motores de trens e caminhões de 40 toneladas serão arremessados como brinquedos. Haverá devastação total. * Tornado F5: Velocidades de vento entre 420 e 511 km/h. Tornados com esta intensidade destroem tudo em seu caminho. Os carros são arremessados como pedras para centenas de metros, e edifícios inteiros podem ser levantados do chão. A força é semelhante à de uma bomba atômica. * Tornado F6: Velocidade acima de 511 km/h este tipo de tornado era considerado apenas em simulações (chamado de Tornado Inconcebivel)foi possivelmente registrado em 1999, no chamado Tornado de Oklahoma onde a velocidade do vento chegou bem perto dos 533 km/h.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Começa oficialmente a temporada de furacões do Atlântico Norte

A temporada de furacões do Atlântico Norte está de volta. Entre os dias 1º de junho e 30 de novembro as severas tempestades tropicais dominarão as águas quentes do hemisfério norte banhadas pelo Atlântico, causando a formação de fortes ciclones tropicais nos países caribenhos, Golfo do México e na costa leste e sul dos EUA. Segundo a Agência Nacional Atmosférica e Oceânica dos EUA, NOAA, a temporada de 2009 deverá ser mais amena que a anterior. De acordo com modelos de previsão climática de longo prazo, pelo menos 14 tempestades poderão se formar na bacia atlântica e 7 delas se transformarão em furacões. Em 2008 foram contabilizadas 16 tempestades ciclônicas que resultaram em 8 furacões. De acordo com a NOAA, a menor quantidade de tempestades é devido à previsão de temperaturas mais baixas na superfície do oceano e de ventos mais intensos nas camadas mais elevadas da atmosfera. No entender de Garry Bell, meteorologista chefe encarregado das previsões dos furacões desta temporada, existe 70% de chances de que se formarão entre 9 e 14 tempestades tropicais, que poderão resultar entre 4 e 7 furacões. Desses, 1 a 3 poderão atingir entre 3 e 5 pontos na escala Saffir-Simpson, que vai até 5. A agência alertou aos cidadãos que moram em áreas de maior risco como Flórida e Louisiana para que se prepararem para a nova temporada, tomando medidas de emergência e segurança familiar. Cerca de 35 milhões de americanos vivem em áreas sujeitas aos furacões. "A população precisa estar preparada para proteger a família e não esperar apenas pela previsão do tempo", disse William Fugate, diretor da FEMA, a Defesa Civil americana. Segundo a diretora geral da NOAA, Jane Lubchenco, as mudanças climáticas aumentam a incerteza dos modelos matemáticos de previsão, mas não mudaram até agora a quantidade de furacões previstos, apenas a intensidade. Em agosto a agência deverá emitir um novo prognóstico para a segunda metade da temporada, que normalmente é mais intensa. Tempestade e Furacões Os termos "tempestade tropical", "furacão" e "tufão", são nomes regionais dados a um forte ciclone tropical, um sistema não-frontal de larga escala, baixa pressão e convecção organizada e que se forma e desenvolve sobre águas tropicais ou subtropicais. As características típicas desse sistema são os temporais e a circulação ciclônica (giratória) dos ventos de superfície. Para que uma tempestade tropical seja batizada e receba um nome é necessário que seus ventos sustentados atinjam 61 km/h. Antes disso é chamada de "depressão tropical". Quando os ventos ultrapassam119 km/h a tempestade passa a ser chamada de furacão, sendo classificada de acordo com a sua intensidade em uma escala que vai de 1 a 5, chamada escala Saffir-Simpson. Em 2009, quando a primeira tempestade atingir 61 km/h receberá o nome de "tempestade Ana". Foto: Imagem registrada pelo satélite NOAA-18 mostra o intenso furacão Katrina, que atingiu o Golfo do México em 2005. Na época, o furacão ceifou a vida de mais de 1.500 pessoas na costa sul dos EUA, deixou milhares de desabrigados e causou prejuízos superiores a 50 bilhões de bilhões de dólares. Crédito: NOAA.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Entenda como são dados os nomes dos furacões e das tempestades

Nomeação começou com australiano no início do século XX. Confira a lista dos nomes para este ano no Caribe e nos EUA. Os nomes próprios das tempestades tropicais e furacões que castigam anualmente o Caribe, o México e os EUA não são dados aleatoriamente pelos centros de monitoramento internacionais. "As tempestades podem demorar uma semana ou mais e ocorrer simultaneamente, portanto os nomes reduzem a confusão sobre qual tempestade está sendo descrita", segundo o site do Centro Nacional de Furacões dos EUA. Segundo eles, o uso de nomes próprios começou a ser feito por um meteorologista na Austrália, no começo do século XX. Ele usou nomes de políticos de quem não gostava para falar dos furacões e, assim, poder dizer ironicamente que aquela pessoa "causou grande desastre". Durante a Segunda Guerra Mundial, segundo o Centro de Furacões dos EUA, os ciclones ganharam informalmente nomes de mulheres, dados pelos meteorologistas da Marinha. Na década de 1950, os ciclones do Atlântico Norte começaram a ser chamados com nomes cuja primeira letra seguia a ordem alfabética (Able-Baker-Charlie-etc.). Em 1978, passaram a ser usados tanto nomes de homens como de mulheres. Hoje a Organização Meteorologica Mundial tem uma lista de 21 nomes para os próximos seis anos. Eles precisam ser curtos e rapidamente entendidos quando pronunciados. Os nomes de furacões que causam muitas mortes e estragos entram para uma lista de "aposentados" e não são mais usados para não causar confusão com outros fenômenos históricos. No ano passado, os nomes que deixarão de ser usados são Gustav, Ike, Paloma (que atingiram o Atlântico) e Alma (no Pacífico Norte). Ao todo, 68 nomes do Atlântico já foram isolados pelo Centro de Furacões dos EUA. Veja a lista de nomes de ciclones tropicais previstos para o Atlântico em 2009 (os nomes dos próximos anos podem ser encontrados no site do Centro Nacional de Furacões dos EUA, em inglês): Ana / Bill / Claudette / Danny / Erika / Fred / Grace / Henri / Ida / Joaquin / Kate / Larry / Mindy / Nicholas / Odette / Peter / Rose / Sam / Teresa / Victor / Wanda

Ciclone mata mais de 120 na Índia e em Bangladesh

Quase 120 pessoas foram mortas por um ciclone que atingiu Bangladesh e o leste da Índia, informaram autoridades e a mídia nesta terça-feira (26). Milhares de afetados pelas enchentes tiveram de ser levados para abrigos improvisados. O número de mortos em Bangladesh subiu para pelo menos 89 após mais corpos terem sido encontrados na terça-feira, disse o jornal "Daily Star" em sua edição online. Na Índia, as autoridades confirmam a morte de pelo menos 29 pessoas no Estado de Bengala Ocidental.O ciclone Aila atingiu partes da costa de Bangladesh e o leste da Índia na segunda-feira, causando alagamentos que forçaram milhares de pessoas a deixar suas casas. Autoridades locais levaram 500 mil pessoas para abrigos temporários após elas terem abandonado seus lares para fugir das ondas formadas por ventos de até 100 km/h. As fortes chuvas causadas pelo ciclone também aumentaram o nível de rios no Estado indiano vizinho de Bengala Ocidental. Centenas de milhares de pessoas vivem no local afetado, que também é a maior reserva de tigres no mundo. Autoridades de Bangladesh informaram que ao menos 100 pessoas estão desaparecidas após a passagem do ciclone. Alguns membros de equipes de resgate, que pediram anonimato, disseram que muitas pessoas podem ter sido mortas pelo Aila, que passou após um ciclone menos letal, o Bijli, que matou poucas pessoas em abril. (Fonte: Reuters)

segunda-feira, 13 de abril de 2009

O Raio

Temido e adorado desde os primórdios da civilização, o raio continua fascinando a humanidade. O conhecimento científico que temos hoje o despojou de sua aura mística, mas na ficção, seu enorme poder desempenha um papel importante. Na história do Dr. Frankenstein, o genial e perturbado cientista utiliza o poder de um raio para infundir vida à sua criação, dando origem ao monstro homônimo e a um dos grandes clichês cinematográficos: reviver organismos inanimados por meio de uma corrente elétrica. Outro exemplo clássico da união entre ficção e raios está na primeira parte da trilogia "De Volta para o Futuro". Neste caso, é incrível não apenas a potência do raio (necessária para movimentar o carro/máquina do tempo), mas também o fato de se saber exatamente onde ele irá cair. Afinal, os raios são imprevisíveis, e até agora não existe um sistema que consiga determinar com exatidão onde um raio irá cair. Pode-se apenas calcular, aproximadamente, a distância entre sua origem e o solo. Para isso, basta contar (a partir do zero) os segundos entre o relâmpago (luz) e o trovão (som), e dividir por três. O resultado obtido indicará, aproximadamente a distância em quilômetros. Descubra nesta experiência outras particularidades desta fantástica força da natureza.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Podem babar: mais uma beldade do Hubble

O instituto do Hubble revelou na semana passada a imagem das galáxias em colisão conhecidas como Arp274 que o público havia selecionado em comemoração do ano internacional da Astronomia. Foram quase 140 mil votos e esta ganhou com 67,021 votos. A imagem é linda e revela muitos berçários de estrelas que não era possível identificar das imagens que tiradas com telescópios terrestres. As galáxias estão a 400 milhões de anos-luz de distância. Os berçários de estrelas são as regiões rosadas e azuladas da imagem. A cor vermelha foi utilizada para representar as regiões que foram detectadas com o filtro de hidrogênio alfa que é bom para encontrar os berçários das estrelas jovens. O filtro azul também foi utilizado e mostra as cores das estrelas jovens também, por isto que vemos os tons azulados e rosa. Mais dois filtros foram utilizados para detectar as outras estrelas, um filtro verde e um vermelho que mostram as regiões aonde as estrelas mais velhas estão localizadas. Como este grupo de galáxias está em processo de colisão, a força gravitacional entre as galáxias dá um empurrãozinho no gás e as estrelas começam a nascer. Cliquem aqui para ver as imagens em alta resolução diretamente do site do Hubble.

sábado, 28 de março de 2009

Ponte Hercílio Luz tem as lâmpadas apagadas durante a Hora do Planeta

Ambiente | 28/03/2009 | 21h56min Movimento mundial teve adesão de sete municípios catarinenses neste sábado O movimento mundial em que as pessoas apagaram voluntariamente as luzes por 60 minutos, em um ato simbólico pela preocupação com o aquecimento global, também teve adesão em Santa Catarina. Às 20h30min, as luzes da Ponte Hercílio Luz, na Capital, foram apagadas. Outras seis cidades também aderiram formalmente. As prefeituras de Itajaí, Blumenau, Joinville, Balneário Camboriú, Corupá (Norte) e Pinhalzinho (Oeste), além de Florianópolis, aderiram à Hora do Planeta. Esta é a primeira vez que o movimento inclui cidades brasileiras. A idéia é proporcionar uma espécie de reflexão coletiva, que pode envolver famílias, escolas ou grupos de amigos. WWF garante que efeito estufa está aumentando A rede WWF, organizadora do movimento no mundo, quer engajar e mobilizar a sociedade para manifestar a preocupação com o problema do aquecimento global. A rede trabalha com a perspectiva de que as mudanças climáticas sempre aconteceram no mundo. Entretanto, está aumentando a concentração dos gases de efeito estufa na atmosfera — fenômeno provocado pelas ações humanas. No Brasil, o desmatamento é o principal deles, representando 75% do total de emissões brasileiras do monóxido de carbônico (CO2), principal causador do aquecimento global. Como a nona economia mundial, a organização ambiental espera que o país seja um líder nas negociações com outros países para a diminuição da emissão de gases. Além da busca pela conscientização, a Hora do Planeta é uma das maneiras encontradas pelo WWF para mostrar a manifestação social para que seja assinado, na Dinamarca, em dezembro, o Acordo Global de Clima, tratado da Organização das Nações Unidas (ONU). O documento, envolvendo cem países, deve estabelecer as metas e regras para combater as mudanças climáticas e o aquecimento global através da diminuição das emissões pelos países. De acordo com informações do Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima (IPCC), a manutenção dos ecossistemas, dos ciclos hídricos e da produção de alimentos depende da temperatura do planeta. Aumentando em mais 2ºC a temperatura média do planeta, segundo o IPCC, a vida humana poderá estar comprometida na Terra. Ambientalistas de SC defendem iniciativa Diminuir o consumo de energia durante uma hora, proposta da Hora do Planeta, pode ser o início de uma relação mais responsável com o ambiente. É o que pensam pessoas ligadas a movimentos ecologistas em Santa Catarina. Para o coordenador da Federação das Entidades Ecologistas de Santa Catarina (FEEC), Alexandre Lemos, tudo o que envolve o ser humano, como o consumo, tem reflexo no ecossistema. Para ele, qualquer atitude que alavanque a mudança de paradigmas é importante. — A Hora do Planeta é importante porque dissemina a consciência de que precisamos tomar uma nova postura no cotidiano — avalia. O presidente da ONG Aliança Nativa, Rodrigo Brisighelli Salles, diz que, somente com a mudança cultural é que as diferenças no planeta poderão ser notadas. A Hora do Planeta, para ele, pode ser o primeiro passo para a criação de novos critérios de consumo, cada vez levando mais em consideração a necessidade da preservação. Na opinião de Salles, o tema deveria ser mais intensificado, especialmente com a inserção de uma matéria de educação ambiental no currículo do ensino fundamental. A coordenadora administrativa do Instituto Sócio-Ambiental Campeche, Tereza Cristina Pereira Barbosa, ressalta que o ato pode alertar as pessoas do quanto se gasta no mesmo momento, mundialmente, com a energia. Segundo ela, as energias têm um fundo de destruição, principalmente na Europa, onde as fontes de energia são bastante poluentes. — As pessoas precisam entender suas responsabilidades o mais breve possível. Já vemos que o planeta passa pela homeostase, uma auto-recomposição depois da destruição humana. O planeta responde às ações humanas com a busca pelo seu próprio equilíbrio. DIARIO.COM.BR Cidades que aderiram à Hora do Planeta Santa Catarina Corupá — prédios públicos Itajaí — Teatro Municipal, Centro Eventos, Igreja Matriz, Museu Histórico, Biblioteca Pública, prefeitura e Fundação de Meio Ambiente Florianópolis — Ponte Hercílio Luz, Praça dos Namorados Blumenau — Prédio da Prefeitura Joinville — Casa de Cultura, Estação Ferroviária, Museu de Arte e Museu Nacional de Imigração e Colonização Balneário Camboriú — Cristo Luz Brasil Rio de Janeiro — Cristo Redentor, Pão de Açúcar, Parque do Flamengo, Orla de Copacabana, Comunidade do Morro Dona Marta, Jockey Club e Castelinho da Fiocruz Curitiba — Teatro do Paiol, Fonte dos Anjos, Torre da Biodiversidade, Estufa do Jardim Botânico, Linha Verde — Monumento de Bambu, fontes das Praças Santos Andrade e Generoso Marques, portais Santa Felicidade e Polonês, pista de atletismo da Praça Osvaldo Cruz, Cancha polivalente da Praça Ouvidor Pardinho Brasília — Congresso Nacional, Catedral, Conjunto Cultural da República, Teatro Nacional, ministérios e iluminação pública da Esplanada, Letreiro do Conjunto Nacional de Brasília, Câmara dos Deputados, Câmara Legislativa do Distrito Federal Porto Alegre — Estátua do Laçador e Usina do Gasômetro São Paulo — Ponte Estaiada, Monumento às Bandeiras, Viaduto do Chá, estádio do Pacaembu, Teatro Municipal, Obelisco, estádio do Morumbi e Parque do Ibirapuera Belém — Mercado de São Brás, Parque Zoobotânico Bosque Rodrigues Alves Rio Branco — Palácio Rio Branco (sede do governo estadual), prefeitura, Horto Florestal/Sede da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e o Novo Mercado Velho Mundo Cingapura — Merlion Hong Kong (China) — Show Sinfonia das Luzes Xangai (China) — Nova Torre Mundial Hong Kong Paris (França) — Torre Eiffel Sydney (Austrália) — Prédio da Ópera Cidade do Cabo (África do Sul) — Montanha da Mesa Toronto (Canadá) — Torre CN Las Vegas (EUA) — Grande Cassino MGM Dinamarca — Tivoli Copenhagen Fonte: Hora do Planeta

segunda-feira, 23 de março de 2009

Projeto SIDDEM - Sistema de previsão para precipitação e raios

As áreas da agricultura e de energia elétrica sempre necessitaram de previsões em relação a descargas elétricas, e atualmente já é possível planejar construções e áreas para cultivo, evitando altos prejuízos e oferecer o bem-estar para a sociedade.

Com este intuito a parceria EPAGRI/CIRAM e INPE criaram o projeto SIDDEM (Sistema de Informações Integradas baseado no sistema de Detecção de Descargas Atmosféricas), que tem como base alertar as empresas com sistemas de informação meteorológicas, através de dois sistemas, o SAFIR sensores que monitoram e identificam eventos críticos e de curto prazo do tipo intra nuvem, sendo instalados cinco sensores somente no estado de Santa Catarina e o IMPAC que detecta e monitora descargas do tipo nuvem-solo, instalados nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

As previsões do tempo feitas com o monitoramento por imagens de satélite, radio sonda e plataformas de coleta de dado, sendo este um projeto implantado para suprir as necessidades de inúmeras empresas,informam as condições variáveis de temperatura, umidade, pressão, direção e velocidade do vento, radiação solar e precipitação acumulada. O que antigamente era feito por instalações e visitas dos instrumentos meteorológicos. Realizado pelo INPE/CPETC.

Protocolo de Quioto

O Protocolo de Quioto é um tratado internacional que estabelece compromissos para a redução da emissão dos gases que provocam o efeito estufa, considerados como a principal causa do aquecimento global. Discutido e negociado em Quioto no Japão em 1997, foi aberto para assinaturas em 16 de março de 1998 e ratificado o 15 de março de 1999. Logo da ratificação da Rússia em Novembro de 2004, o Protocolo entrou oficialmente em vigor o 16 de fevereiro de 2005. O Protocolo propõe um calendário pelo qual os países desenvolvidos têm a obrigação de reduzir a quantidade de gases poluentes em, pelo menos, 5,2% até 2012, em relação aos níveis de 1990. Os países signatários terão que colocar em prática planos para reduzir a emissão desses gases entre 2008 e 2012. O protocolo estimula os países signatários a cooperarem entre si, através de algumas ações básicas nos diferentes ramos econômicos: * Reformar os setores de energia e transportes; * Promover o uso de fontes energéticas renováveis; * Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados aos fins da Convenção; * Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos; * Proteger florestas e outros sumidouros de carbono. Se o Protocolo de Quioto for implementado com sucesso, estima-se que deva reduzir a temperatura global entre 0,02ºC e 0,28ºC até 2050, entretanto, isto dependerá muito das negociações pós período 2008-2012, pois hão comunidades cientificas que afirmam categoricamente que a meta de redução de 5,2% em relação aos níveis de 1990 é insuficiente para a mitigação do aquecimento global. Fontes. Ministério de Relaciones exteriores The Intergovernmental Panel on Climate Change – IPCC.

terça-feira, 3 de março de 2009

Curiosa formação na imagem de satélite (03/03/09 - 12:15h)

03/03/2009
Fonte: NASA-MODIS Rapid Response System. Imagem com 250m de resolução.

Uma curiosa formação de nuvens foi registrada em imagens de satélite, sobre a região serrana do RS, na tarde do ultimo domingo, dia 01/03/09. Na imagem é observado um aglomerado de nuvens com formato circular, apresentando um centro com característica semelhante a um “olho”. Esse tipo de formação se manteve organizado por algum tempo, sendo que “o olho” persistiu por aproximadamente 30min.

A característica do aglomerado de nuvens possuir um “olho”, é apenas mera coincidência, (não possuindo nenhuma semelhança a um furacão), pois a natureza deste aglomerado de nuvens é convectiva, associada a forte instabilidade que predominava no Sul do Brasil neste dia, com fluxo de ar predominante de norte-noroeste, carregando grande umidade desde a região centro-norte do Brasil, combustível necessário para a formação de intensas tempestades. Sendo assim, vale o registro de uma imagem muito bonita que os satélites meteorológicos trazem até nós, dentre tanta outras que surgem durante as horas de monitoramento das condições de tempo, as quais muitas vezes passam em branco aos olhos da grande maioria.

Daniel Calearo / Maurici Monteiro - Meteorologistas

Fonte: Epagri/Ciram

domingo, 1 de março de 2009

Cometa Lulin está em seu ponto mais próximo à Terra

São Luís - O cometa Lulin (C/2007 N3), descoberto há dois anos por astrônomos taiwaneses e chineses, entra em seu período de melhor observação no céu nesta terça-feira (24). Isso porque o astro se encontra a menos de 60 milhões de quilômetros da Terra.

Localize o cometa Lulin

A passagem do cometa é acompanhada por astrônomos de todo o planeta desde o último dia 12. A observação do cometa, que se parece com uma bolinha de fumaça esverdeada - resultado de gases tóxicos -, pode ser feita com instrumentos básicos, como um binóculos.

Leia tudo sobre Ciência e Tecnologia

O cometa Lulin pode ser localizado quando a constelação de Leão nasce no lado oposto ao pôr-do-sol. A posição do cometa é próxima a Saturno, que aparece para nós como uma estrela brilhante no céu no horizonte leste logo no início da noite. O cometa pode ser observado até por volta de 4h da manhã. O período de maior aproximação do cometa vai até o dia 26 de fevereiro.

Não confunda Algumas pessoas costumam confundir meteoros com cometas. Meteoros são fenômenos luminosos de curta duração observados pela passagem de fragmentos de materiais, que vagam pelo espaço, pela atmosfera terrestre. Já os cometas são astros compostos de gelo que orbitam pelo sistema solar e sua passagem é mais duradoura que a dos meteoros. Os cometas possuem uma cauda luminosa resultante da ação dos ventos solares.

Fonte: http://mauricioaraya.wordpress.com/2009/02/24/cometa-lulin-esta-em-seu-ponto-mais-proximo-a-terra/

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Grupo de Nuvens Lenticularis em Washington/USA

O QUE SÃO? Lenticularis são nuvens de levantamento orogrâfico que tem uma aparência de lentes. Elas formam-se quando ar umido passa sobre montanhas. As vezes, este ar forma-se em ondas. Nuvens lenticularis formam-se no lado sotavento das montanhas nas cristas das ondas, mas os cavados permanecem sem nuvens. Elas frequentemente formam-se uma acima da outra, como uma pilha de panquecas. Quando observadas numa distancia, nuvens lenticularis podem ter uma aparência de discos voadores, especialmente à noite. A maioria de reportes sobre discos voadores ocorrem nas regiões montanhosas, quando nuvens lenticularis são presentes. As nuvens comuns de tipo lenticularis incluem altocumulus lenticularis e stratocumulus lenticularis. A foto acima foi tirada em desembro de 2008 na cidade de Seattle - Washington/USA

Últimas dos Blogs