domingo, 22 de novembro de 2009

Sequência de satélite da supertempestade de 19 de novembro

O temporal que atingiu o Rio Grande do Sul foi tão grave que despertou a atenção da comunidade acadêmica de Meteorologia nos Estados Unidos, apesar da tempestade ter ocorrido a meio mundo de distância. O CIMSS (Cooperative Institute for Meteorological Satellite Studies), da Universidade de Wisconsin, um dos principais centros de referência no mundo em Meteorologia por satélite, divulgou em sua página uma sequência de imagens de satélite mostrando da gênese da tempestade até o momento em que ela alcança Porto Alegre. A imagem vem acompanhada de análise (leia), valendo-se de dados da MetSul Meteorologia quanto aos efeitos, em que se oferece uma abordagem completamente distinta das lidas até agora sobre a causa do temporal. Nem ciclone extratropical, como sustentado por vários órgãos de Meteorologia aqui no Brasil, nem tampouco uma frente fria associada a um centro de baixa pressão profundo em superfície, como defendido pela MetSul Meteorologia, mas sim o velho e conhecido CCM (Complexo Convectivo de Mesoescala). Leia a análise do CIMSS sobre o evento da última quinta-feira:

"Imagens do canal infravermelho do satélite GOES-10 mostra topos de nuvens com temperatura muito baixa associadas a um Complexo Convectivo de Mesoescala (CCM) que se formou no Norte da Argentina e se deslocou pelo Uruguai para o Sul do Brasil no dia 19 de novembro. O CCM apresentou valores de temperatura no brilho do canal infravermelho atipicamente baixos que chegaram a -89ºC às 4h58m UTC (2h58m no horário de verão brasileiro). Ademais, no começo da animação podem ser vistas várias assinaturas em "V" na imagem infravermelho realçada pelos topos das nuvens, assinaturas essas que sinalizam tempestades com convecção severa com alto potencial para produzir vento destrutivo, granizo grande e tornados. Houve relatos na mídia de um tornado e granizo em partes do Uruguai, e, de acordo com o Blog da MetSul, este CCM produziu vento muito intenso (132 km/h) e chuva intensa (70 milímetros em duas horas) à medida que a tempestade avançou para a região do Rio Grande do Sul no Sul do Brasil".

Autor: Alexandre Amaral de Aguiar Publicado em 21/11/2009 16:43 blog Metsul
Postar um comentário

Últimas dos Blogs