quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Muita instabilidade no Sul e Sudeste do Brasil

A imagem de satélite do fim da tarde de hoje (abaixo) mostrava áreas de instabilidade sobre o Sudoeste e o Norte do Rio Grande do Sul, mas que eram mais intensas e generalizadas em Santa Catarina, São Paulo e no Rio de Janeiro. A capital paulista e região voltaram a sofrer ontem com inundações enquanto a cidade do Rio de Janeiro teve forte temporal. O ar quente e a enorme disponibilidade de umidade, trazida pelas correntes de vento da Amazônia e pelo anômalo aquecimento do Atlântico, vão seguir favorecendo chuva intensa e temporais no Sul e Sudeste no restante da semana. São os temporais típicos de verão que formam áreas de instabilidade isoladas, algumas intensas, que geram chuva forte e mesmo vento forte ou granizo em alguns pontos bastante localizados.

Algumas análises internacionais (abaixo) até sugeriam nesta segunda-feira que a Zona Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que tradicionalmente atua no Sudeste, poderia avançar até o Norte gaúcho, algo incomum e que gerou grande debate interno na MetSul, favorecendo chuva de verão aqui no Estado e forte no Leste catarinense na segunda metade da semana.

Um outro dado que nos chamou especial atenção por ser crível é a projeção do modelo europeu de que a área de baixa pressão medíocre em intensidade, mencionada no post anterior, poderia gerar um fluxo de umidade do mar para o continente no Leste do Rio Grande do Sul nesta terça, trazendo chuva (imagem abaixo da projeção de chuva do Europeu para a primeira metade da terça), solução que não é acompanhada pela maioria dos demais modelos.

Na quarta, de acordo com o Europeu, o fluxo de umidade se manteria, afetando principalmente a região de Pelotas e Rio Grande (imagem acima). Já na quinta, pelo mesmo modelo, seguiria a instabilidade no Sudeste gaúcho com forte intensificação da chuva junto ao Leste catarinense.

Autor: Eugenio Hackbart Publicado em 25/01/2010 22:15 Fonte: Blog Metsul
Postar um comentário

Últimas dos Blogs